quinta-feira, 27 de abril de 2017

Metrô honra acordo com associações da Ciranda


 
Por ocasião do lançamento do projeto de expansão da linha 5 do Metrô, em 2009, a Ciranda, entidade que reúne 17 associações de bairro da área de Santo Amaro, entra as quais a Sajape e a Sababv, marcou posição junto aos técnicos para evitar que a área "livre" das estações fosse ocupada por empreendimentos comerciais, como aconteceu na estação Santa Cruz, da Linha 1. Nossa demanda foi que a área externa fosse transformada em uma praça, um local aprazível para a convivência e integrado às características ambientais de nossos bairros.
 
Pois bem, o tempo passou, e hoje está em fase de acabamento a estação Brooklin, no cruzamento das avenidas Roque Petroni Jr. e Prof. Vicente Rao. E como todos podem conferir, o Metrô cumpriu a promessa: toda a área externa da estação foi contemplada com um projeto de paisagismo que traduz nosso objetivo, e a grande cobertura em vidro que marca a entrada da estação será a marca inconfundível dessa nossa Linha 5, há tanto tempo esperada.







SAJAPE e SABABV informam: Conselho aprova diretrizes para o Fundo de Meio Ambiente

As diretrizes que regem a utilização dos recursos do Fema - Fundo Especial de Meio Ambiente - têm sido reiteradamente questionadas pelos  representantes da Sajape e da Sababv no Cades - Conselho de Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentável e Cultura de Paz. Por vários anos, devido à falta de clareza dessas diretrizes, esses recursos foram indevidamente utilizados para cobrir a deficiência orçamentária de várias secretarias municipais, inclusive da própria Secretaria do Verde, deixando de lado, entre outras funções, um dos principais objetivos desse Fundo, que é o apoio a iniciativas da sociedade civil para a realização de projetos e ações de interesse ambiental. 

Mas esse quadro finalmente mudou: graças ao empenho de um grupo de conselheiros que acataram nossa argumentação, foi elaborado um conjunto de regras objetivas que garantem o cumprimento do papel legítimo do Fema, e que foram aprovadas pelo Cades em Reunião Ordinária realizada neste último dia 25 de abril. E é importante ressaltar que o debate saudável que levou à aprovação dessas novas diretrizes só foi possível graças à sensibilidade dos gestores do Cades e do Fema, da SVMA, a quem manifestamos nosso reconhecimento.

Conselho Participativo convida para oficina sobre Gestão de Resíduos Sólidos

O Conselho Participativo Municipal de Santo Amaro (CPMSA) é um fórum de cogestão da sociedade civil, que atua por meio de Grupos de Trabalho (GTs) envolvidos com temas específicos, com o objetivo de propor políticas públicas e/ou ações para aprimorar o desempenho da gestão local.

Cumprindo esse papel, o CPMSA realizará no próximo dia 13 de maio uma oficina sobre Gestão de Resíduos Sólidos, um tema fundamental para o atendimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), propostos pela ONU e contemplados em nossa proposta para o Plano Regional de Santo Amaro. O evento incluirá  palestra e debate sobre o tema, atividade prática sobre compostagem doméstica e lançamento de aplicativo sobre locais adequados para o descarte de resíduos sólidos.

O evento é aberto a toda a comunidade, e a participação dos moradores dos bairros residenciais é fundamental para o sucesso da iniciativa. Participe, traga sua família, convide seus vizinhos e seus amigos!

Evento: oficina sobre Gestão de Resíduos Sólidos.
Local: auditório da Prefeitura Regional Santo Amaro, Praça Floriano Peixoto, 54, Santo Amaro.
Data: sábado, dia 13 de maio de 2017.
Horário: das 9h30 às 12h30.

COMPAREÇA!! Faça a sua parte para melhorar as condições ambientais de nossa região!!  

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Divulgação | Programação da UMAPAZ - Maio 2017

Olá amigos, maio é AMARELO! !    Vamos refletir sobre mobilidade urbana e, especialmente,
 sobre ser pedestre na cidade.  Estamos na  Década de  Ações para  a   Segurança no Trânsito
(2011 a 2020), que nasceu com a sensibilização da  Assembleia  Geral das  Nações  Unidas a
partir de estudo da OMS  (Organização Mundial de Saúde)  sobre  acidentes  de  trânsito em
 178 países.  Na  UMAPAZ   teremos em  19 de maio o Dia da Mobilidade a Pé,  com atenção
 para o fomento a uma  Cidade  Educadora e  Sustentável,  além dos  aspectos  saudáveis da
 circulação a pé e as oportunidades de interação dos cidadãos na comunidade de vida  nas
ruas e parques da nossa cidade. 
E há muito mais na nossa programação de maio,  sejam sempre bem vindos à UMAPAZ!

Cultura e meio Ambiente são os principais focos na audiência de Santo Amaro

por Dalton Assis/17 abril 2017
Boletim 32xSP

Cerca de 60 pessoas estiveram na tarde do dia 8 de abril na sede da Prefeitura Regional de Santo Amaro, em São Paulo, para participar da audiência pública do Plano de Metas (2017-2020) da gestão João Doria (PSDB). Questões como meio ambiente e cultura foram os temas mais abordados.

“É preciso que haja uma preservação das árvores. E faço um apelo a todos os comércios da região: não arranquem as arvores das calçadas sem aval da prefeitura como tem acontecido ultimamente. Elas são fundamentais para nossa vida e segurança”, disse Sylvia Leite, representante do CADES (Conselho Regional de Meio Ambiente, Desenvolvimento e Cultura de Paz de Santo Amaro).

Já Cristina Antunes, diretora da Sajape  (Associação de Moradores dos Jardins Petrópolis e dos Estados), enfatiza que é necessário ter um plano de bairro para alimentar o plano regional. “Se a prefeitura levasse a sério o que diz o Estatuto da Cidade, que diz que tem de haver planos de bairros e que estes devem subsidiar os planos regionais, conseguiríamos fazer muitas coisas nas prefeituras regionais. Esperamos que nessa nova administração levem a sério nossa proposta de plano regional, pois sem isso, qualquer coisa que aconteça, não vai dar conta das necessidades dos bairros”, afirmou.

A supervisora de cultura do Centro de Tradições de Santo Amaro e moradora há 38 anos na região, Antonia Andrea de Sousa, diz que é necessário que pessoas pensem em conjunto, não apenas em seu bairro ou na sua rua. “Precisamos que ocorra um bem-estar coletivo. Santo Amaro tem o privilégio de possuir diversos equipamentos culturais que, se bem planejados pelo poder público, poderiam atender melhor a todos com ações dirigidas aos moradores e trabalhadores da região”, finalizou.

Para o prefeito regional, Roberto Arantes Filho, a participação popular nesse momento é fundamental e, somada ao esforço do governo, ele vai buscar atender os anseios da população. Já o secretário municipal de Governo, Julio Semeghini, explicou o motivo de o Plano ser enxuto, com apenas 50 metas, e divididos em cinco eixos temáticos: Econômico e Gestão, Urbano e Meio Ambiente, Social Humano e Institucional.

“Muitas pessoas reclamaram de o Plano ter poucas metas em relação às outras gestões, mas o que buscamos fazer foi estabelecer metas claras e acessíveis para, com a ajuda da população, fazer uma regionalização do Plano e identificar quais metas possuem real impacto na região de Santo Amaro”, concluiu.


quinta-feira, 20 de abril de 2017

Convite - Concurso de Fotografias


Queremos ver como é o outono da nossa cidade pelos seus olhos!
Clique aqui para ver o edital publicado no Diário Oficial Municipal em 29/03/2017 e se inscreva abaixo!

terça-feira, 18 de abril de 2017

Plano de Metas é discutido nas Prefeituras Regionais

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                          Em audiência pública realizada no último sábado, dia 8 de abril, o Secretário de Governo, Júlio Semeghini, conduziu a apresentação do Plano de Metas da administração Dória para o período 2017-2020.

Os munícipes presentes formularam perguntas e apresentaram propostas que, segundo o secretário, serão analisadas e podem ser incluídas no Plano. Novas sugestões podem ser encaminhadas pelo site programademetas.prefeitura.sp.gov.br

Diretrizes para o Fema
O Cades – Conselho de Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentável e Cultura de Paz – é um fórum deliberativo que analisa e aprova projetos que têm impacto ambiental na cidade. Muitos desses projetos utilizam verbas do Fema – Fundo Especial de Meio Ambiente.

No mês de janeiro, representantes da Sajape e da Sababv nos dois conselhos contestaram no Cades as diretrizes propostas pela Secretaria do Verde para a utilização dos recursos do Fema, alertando para os demandos ocorridos na gestão anterior, facilitados pela falta de objetividade das diretrizes então existentes.

No entanto, sem aprovação do Cades, as verbas disponíveis no Fema ficam bloqueadas, o que levou ao empenho de parte a parte para resolver o impasse. E após algumas reuniões, chegamos finalmente a um consenso com os coordenadores dos dois conselhos, e um novo documento será submetido para aprovação.

No novo formato, o controle dos recursos será mais eficaz e sua liberação será  mais criteriosa, de modo que sua utilização possa atender da melhor maneira possível aos objetivos ambientais da sociedade. 
Esperamos agora os novos editais que permitirão que entidades da sociedade civil solicitem verba para projetos de interesse da comunidade.

quinta-feira, 13 de abril de 2017

CONVITE: I Feira de Troca de Livros, na Biblioteca da UMAPAZ


No Rio, apenas 1,9% do lixo é reciclado


por Mariana Alvim 13/04/2017 4:30





© 1996 - 2017. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A.

RIO — Dados inéditos obtidos pelo GLOBO com companhias públicas de limpeza mostram que as maiores cidades brasileiras estão engatinhando na reciclagem de seu lixo, apesar de todas terem metas para crescimento nos próximos anos. No Rio, apenas 1,9% de todo o lixo produzido na cidade é destinado à reciclagem; em São Paulo, a proporção é de 2,5%. No Distrito Federal, que tem Brasília, a terceira maior cidade brasileira segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cerca de 5,9% do lixo total passam pela coleta seletiva. Estudos mostram que uma cidade tem, em média, de 30% a 40% de seus resíduos com potencial para a reciclagem.

Há ainda outro indicador de que o ciclo não está funcionando a todo vapor: a ociosidade nas centrais de triagem (CTs), locais normalmente conduzidos por cooperativas onde, de fato, a reciclagem acontece. No Rio, as duas centrais de triagem que recebem resíduos — além de outras 24 cooperativas, cujos dados, porém, não são centralizados pela prefeitura — processaram em janeiro cerca de 25% do volume que têm capacidade para reciclar.


A CT de Bangu pode reciclar 30 toneladas por dia, mas recebeu 5,67 toneladas diárias em janeiro, volume abaixo da média dos últimos seis meses, de 6,16 toneladas. Já a CT de Irajá tem capacidade para reciclar 20 toneladas, mas recebeu apenas 6,29 toneladas em janeiro — também abaixo da média para o semestre, de 6,59 toneladas. A estrutura de ambas CTs foi construída com financiamento que contou com verbas do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Segundo a Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb), a reciclagem chega hoje a 113 dos 160 bairros do Rio de Janeiro, através da coleta seletiva porta-a-porta, em dias alternados da coleta domiciliar. Para tal coleta, são mobilizados 13 caminhões — que tiveram suas rotas alteradas, segundo a Comlurb, para otimizar a coleta e fazer frente à ociosidade decorrente do pouco material disponibilizado pela população.


http://m.oglobo.globo.com/sociedade/sustentabilidade/no-rio-apenas-19-do-lixo-reciclado-21202718?utm_source=WhatsApp&utm_medium=Social&utm_campaign=compartilhar

Inscrições Abertas: Mesa Redonda Saneamento básico: direito de todos?


Inscrições Abertas: Vivência "Procurando o meu propósito"


quinta-feira, 6 de abril de 2017

Vamos dizer NÃO à mudança de nome à Avenida Chucri Zaidan na cidade de São Paulo.


Abaixo assinado clique aqui: www.change.org/p/camara-vamos-dizer-não-à-essa-mudança-de-nome-à-avenida-chucri-zaidan-na-cidade-de-são-paulo


Poucos conhecem a História deste importante cidadão Árabe, dando nome a uma especial via em São Paulo. A Avenida Doutor Chucri Zaidan que se encontra na zona sul da famosa cidade acolhedora.
 Dr. Zaidan era de origem Síria ( Damasco ) filho de Georges Zaidan e Agia Zaidan .
Estudou medicina na Universidade Americana de Beirute ( Líbano) .
Abaixo os fatos marcantes da Vida deste Médico dos pobres:

1.    Nascimento em 1891 – Síria
2.    Prisioneiro do Exercito Inglês foi obrigado a exercer a medicina no Egito ate 1920
3.    Reconhecido medico pela Universidade Americana de Beirute e o Governo dos Estados Unidos da America ( 1916)
4.    Registro de seu Diploma no Brasil ( São Paulo) em 1927
5.    Foi naturalizado Brasileiro em 1931
6.    Em 1942 Dr. Zaidan completava 25 anos de medicina no qual 15 anos foram no Brasil
7.    No ano de 1966 ele completa 50 anos de Medicina obtendo lindas homenagens  nos salões do Club Homs ( São Paulo )
8.    Em 1966 Dr. Chucri Zaidan recebe o titulo de “ Cidadão Paulistano”
9.    Colaborou com  ajuda a doentes e necessitados
10.  Falece em 1980
Este é Dr. Chucri Zaidan um médico que com luta e garra colaborou com a medicina exercendo no Egito  e Brasil. Grande cidadão Paulistano oficializado pelo diário oficial de São Paulo e importante figura Árabe brasileira.
Ele é ainda orgulho Histórico ao Brasil, Síria e Líbano. 

GazetadeBeirute
Anthony Mohammad

Calendário de audiências públicas do Programa de Metas dificulta a participação popular

 Avaliação da Rede Nossa São Paulo sobre o cronograma divulgado pela Prefeitura é que a realização das 32 audiências regionais no mesmo dia reduz o prazo de discussão e limita potencial da consulta

Por Airton Goes, da Rede Nossa São Paulo

O calendário das audiências públicas destinadas a receber as contribuições da população para o futuro Programa Metas 2017-2020 da cidade de São Paulo, divulgado nesta quarta-feira (29/3) pela Prefeitura, dificulta a participação da sociedade.

Essa é a avaliação da Rede Nossa São Paulo, organização que propôs a criação da chamada Lei das Metas – Emenda à Lei Orgânica do Município, que foi aprovada em 2008 e, desde então, obriga todos os prefeitos da capital paulista a apresentarem um plano de metas em até 90 dias após a posse.

Pelo cronograma informado pela gestão do prefeito João Doria todo o processo participativo será concentrado em três dias. As cinco audiências temáticas estão marcadas já para a próxima quinta-feira (6/4), às 18h30, e as 32 audiências regionais – uma em cada prefeitura regional – ocorrem dois dias depois (sábado, 8/4), às 14h30. O processo de consulta é finalizado com uma audiência pública geral no domingo (9/4), às 8h30. 

A discordância em relação ao calendário divulgado pela Prefeitura é explicitada em uma carta enviada pelo coordenador-geral da Rede Nossa São Paulo, Jorge Abrahão, ao secretário municipal de Gestão, Paulo Uebel, que é o responsável pela coordenação da elaboração do Programa de Metas.

No documento, encaminhado no mesmo dia da divulgação do cronograma, a organização destaca a importância da participação da sociedade para que o Programa de Metas seja  resultado de uma construção coletiva, “o que lhe confere legitimidade”.

A Rede alerta que “seria uma lastima reduzir o prazo desta discussão e desperdiçar o potencial contido neste processo de consulta e sugestões”. E recomenda à administração municipal que seja dado um prazo de quinze dias entre a apresentação do plano, que será divulgado oficialmente nesta quinta-feira (30/3), e as audiências públicas para garantir a qualidade das análises e da contribuição da sociedade.

A carta encaminhada pela organização defende que as audiências públicas sejam realizadas com um espaçamento entre elas, que permita o saudável acompanhamento da equipe da secretaria de gestão, da sociedade e da mídia. “Este tempo permite o amadurecimento de todos os envolvidos no processo, contribuindo para o aprimoramento de sua qualidade”, argumenta o documento, que complementa: “A lei estabelece o prazo de trinta dias, justamente para permitir que o debate ocorra na sociedade”.

Retrocesso entre a primeira e a segunda versão do calendário

A primeira versão do calendário de audiências públicas, que chegou a ser publicada no portal da Prefeitura no dia 23/3, junto com a divulgação oficial da plataforma colaborativa para elaboração do Programa de Metas 2017-2020, previa um espaçamento maior entre as audiências públicas regionais.  As primeiras ocorreriam no dia 10 abril e as últimas no dia 25.

Minutos depois, porém, o calendário foi apagado do portal, sem nenhuma explicação.

Estímulo à participação popular

Para o gestor de projetos da Rede Nossa São Paulo, Américo Sampaio, a Prefeitura deveria acatar as sugestões da sociedade civil e alterar o calendário, visando ampliar a participação dos paulistanos no processo de elaboração Plano de Metas. “Junto com outras organizações, vamos insistir nessa tese junto à administração municipal”, afirma.

Ele, entretanto, recomenda que as pessoas se preparem para participar das audiências públicas. “Mesmo que a gestão Doria não altere o cronograma, é fundamental que as organizações e cidadãos participem das audiências públicas, levem suas contribuições ao Programa de Metas e acompanhem o processo, para que ele seja o mais participativo e transparente possível”, estimula Sampaio.

Primeira versão do Programa de Metas

A Prefeitura de São Paulo divulga nesta quinta-feira, às 15 horas, a primeira versão do Programa Metas. O evento será na Câmara Municipal de São Paulo e deverá contar com a participação do prefeito João Doria.

Entretanto, alguns jornais já divulgaram as metas que estariam contidas no plano. Após o anuncio oficial do Programa, a Rede Nossa São Paulo fará uma avaliação dos objetivos propostos pela atual gestão e divulgará suas conclusões.

LANÇAMENTO DA PUBLICAÇÃO ‘CIDADES MAIS RICAS EM NATUREZA’, COM RICHARD LOUV


O Criança e Natureza lançou no último dia 28 de março, a publicação Cidades mais ricas em Natureza elaborada em parceria com o Grupo de Trabalho (GT) Criança e Adolescente da Rede Nossa São Paulo e o  Programa Cidades Sustentáveis.

O lançamento ocorreu na Roda de Conversa com a arquiteta e urbanista, Irene Quintáns , que trouxe reflexões sobre como as cidades podem garantir que as crianças tenham o direito de usufruir e apropriar dos espaços públicos e naturais das cidades. Clique aqui para assistir a apresentação.

Com o intuito de contribuir com o tema entre os gestores públicos, as perguntas foram formuladas pelo GT Criança e Adolescente da Rede Nossa São Paulo para o jornalista norte-americano Richard Louv, autor do best-seller   A Última Criança na Natureza.

O resultado desta entrevista está  neste material que traz temas relevantes sobre a relação da criança com a natureza e apresenta também experiências inspiradoras que podem contribuir para que as cidades brasileiras se tornem mais ricas em natureza. Boa leitura!
 http://criancaenatureza.org.br/noticias/lancamento-da-entrevista-cidades-mais-ricas-em-natureza-com-richard-louv/


 cidades mais verdes    Grupo Natureza em Família    publicação    Richard Louv