quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Workshop de dança - inscrições

O Centro Cultural Santo Amaro irá receber no dia 06/12 (quarta-feira), o Workshop de Dança de Ismael Ivo.

Disponibilizamos 30 vagas para a comunidade de Santo Amaro e seu entorno.
O pré-requisito para inscrição é ter no mínimo 14 anos.
O Workshop começará às 9 horas e encerrará às 11h30. Para garantir sua participação é preciso preencher o formulário e estar no local com no mínimo 30 minutos de antecedência no dia do evento. Não permitiremos a entrada após o inicio da aula.
Após o preenchimento aguarde confirmação por e-mail.

As inscrições também podem ser feitas na recepção do Centro Cultural Santo Amaro.

Para mais informações: 5541-7050 ou 5522-8897

Sobre o dançarino:
Ismael Ivo, nascido em São Paulo, trabalhou em muitos países à procura de uma linguagem universal para a dança e toma suas inspirações nas diferenças culturais desses lugares. Nas suas coreografias, por exemplo, ele se alimenta das tradições, como o Candomblé afro-brasileiro, mas também da dança expressiva e do teatro de dança alemães. Hoje ele é diretor do Balé da Cidade de São Paulo.

NOTÍCIA DO ESTADÃO

Moradores denunciam podas e edificações irregulares na zona sul de São Paulo
Clique aqui e leia mais: http://brasil.estadao.com.br/blogs/blitz-estadao/moradores-d
enunciam-podas-e-edificacoes-irregulares-na-zona-sul-de-sp/

Observatório e Mapa da Desigualdade da Primeira Infância serão lançados na próxima 3ªfeira

Plataforma e indicadores que retratam situação das crianças paulistanas serão divulgados pela Rede Nossa São Paulo e Fundação Bernard van Leer em evento público.
Por Airton Goes, da Rede Nossa São Paulo
A cidade de São Paulo, os gestores públicos e a sociedade civil, em especial as pessoas e organizações que atuam na área da infância ou se preocupam com o tema, vão ganhar dois novos importantes instrumentos de informação, análise e planejamento.
Na próxima terça-feira (5/12), a Rede Nossa São Paulo e a Fundação Bernard van Leer lançarão o Observatório da Primeira Infância e o Mapa da Desigualdade da Primeira Infância, que retratam a situação das crianças paulistanas de zero a seis anos. 
A divulgação da nova plataforma digital e dos indicadores será realizada em um evento público no auditório do Sesc 24 de Maio, no centro da capital paulista.
Com 130 indicadores, o Observatório da Primeira Infância (OPI) permitirá ao internauta selecionar e comparar até cinco itens que possuam dados por distrito. Por meio dessa interatividade, o interessado poderá saber a situação dos indicadores por ele selecionados em cada um dos 96 distritos da cidade de São Paulo. 
Uma das novidades do OPI é o Banco de Boas Práticas, onde estarão disponíveis experiências exitosas nacionais e internacionais na área da infância. Além de acessar as boas práticas – por Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS), eixo do Programa Cidades Sustentáveis ou pelo Urban95 –, o internauta poderá encaminhar sugestões de programas e políticas públicas exitosas para serem incluídas na plataforma.
Alguns indicadores visam chamar a atenção das autoridades e da própria sociedade para a situação das “Crianças Invisíveis”. Ou seja, para as crianças que têm seus direitos básicos violados cotidianamente e não são contemplados por políticas públicas. 
Outro ponto de destaque do Observatório será o espaço virtual “Olhar das Crianças”, onde serão disponibilizadas fotos feitas pelos pequenos e pequenas.  
O Mapa da Desigualdade da Primeira Infância, por sua vez, visa mostrar as diferenças existentes dentro de uma mesma cidade – no caso, São Paulo – em relação à situação das crianças. 
Utilizando a mesma metodologia do,  Mapa da Desigualdade da Cidade de São Paulo ,o estudo inédito revelará o “desigualtômetro” – a distância entre o melhor e o pior distrito – em cada um dos 28 indicadores vinculados à primeira infância. 
Observatório poderá ser replicado em outras cidades
Para que municípios interessados possam elaborar seus próprios Observatórios da Primeira Infância, a Rede Nossa São Paulo e a Fundação Bernard van Leer divulgarão, no mesmo evento, dois guias destinados a facilitar a construção de plataformas semelhantes. 
Observatório da Primeira Infância em 5 Passos – Guia de Multiplicação explicará como implantar a plataforma, considerando os indicadores, o conteúdo, o banco de boas práticas, entre outros pontos.
Já o Observatório da Primeira Infância – Guia Técnico orientará a instalação da plataforma, incluindo como configurar e cuidar da funcionalidade do sistema. 
Serviço: 
Evento: Lançamento do Observatório e do Mapa da Desigualdade da Primeira Infância
Data: próxima terça-feira, dia 5 de dezembro de 2017
Horário: das 9h30 às 12h30
Local: Sesc 24 de Maio
Endereço: Rua 24 de Maio, 109 – perto da Estação República do Metrô 

Presença de árvores reduz casos de câncer de pulmão em idosos

Estudo observou a relação entre arborização, material particulado e casos de câncer de pulmão em São Paulo
 Por  - Editorias: Ciências Ambientais - Jornal da USP


Pesquisas feitas no exterior já têm mostrado como as árvores urbanas afetam a qualidade do ar. Um estudo da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, por exemplo, concluiu que prédios cobertos por plantas poderiam diminuir em até 30% a poluição de uma cidade.
Agora a bióloga Bruna Lara de Arantes mostra, em seu mestrado, defendido na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, a relação entre arborização, material particulado e casos de câncer de pulmão em idosos na cidade de São Paulo.
O estudo aponta que a presença de árvores diminui a quantidade de material particulado no ar. Em consequência disso, foi observada também uma redução nos casos de doenças respiratórias.
Para chegar a esse resultado, a pesquisadora cruzou dados da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) e da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), através de um convênio firmado com a professora Thaís Mauad e a médica Tiana Lopes.
 “Basicamente nós escolhemos as estações de monitoramento do ar da Cetesb que estavam medindo material particulado em 2010”, explica Bruna. “O material particulado é um dos poluentes que mais afetam a respiração humana e também um dos mais absorvidos pelas plantas. Isso acontece porque ele tem um tamanho microscópico, de 10 microgramas por centímetro cúbico (µg/cm³), o que permite que ele passe pela nossa respiração sem ser filtrado.”
Além dos dados coletados pela Cetesb, Bruna passou a analisar como o entorno das estações de monitoramento é ocupado. Verificou se havia mais asfalto, construções, árvores ou gramado, identificando as espécies de plantas que habitam um raio de 100 metros da estação.
Em seguida, Bruna usou programas estatísticos para observar como as mortes por câncer de pulmão em idosos estavam distribuídas pela cidade e se tinham alguma relação com os dados atmosféricos encontrados pela Cetesb.

Mortes pela poluição

“Os dados apontam que a forma como você ocupa o solo na cidade influencia em 17% os casos de morte por câncer de pulmão em idosos”, afirma Bruna. Outros fatores de risco que devem ser considerados são a genética e o estilo de vida dos idosos.
O estudo também encontrou uma relação entre a ocupação da cidade por relvado ou asfalto e a região no município. Regiões mais centrais são mais ocupadas por construções, enquanto que regiões mais afastadas têm mais árvores. “Esse padrão já era observado na literatura da área, mas não havia dados quantitativos como os desta pesquisa”, ressalta.

Com os dados, foi possível concluir também que quanto mais afastado do centro da cidade e quanto maior for a quantidade de plantas no local, menos casos de câncer de pulmão são encontrados. “A saúde dessa população é favorecida”, pontua Bruna.
Ainda sim, a pesquisadora lembra que, pelo caráter exploratório da pesquisa, são necessários novos estudos sobre o assunto para afirmações mais concretas.
Segundo uma pesquisa publicada pela revista The Lancet, a poluição do ar foi responsável por mais de 70 mil mortes no Brasil.

Soluções

Além da importância acadêmica, o estudo também é de interesse da gestão pública. “Esses dados nos trazem evidências que, ao aumentar as áreas urbanas de gramados e árvores, há uma diminuição significativa da poluição do ar por material particulado”, defende a pesquisadora.

Segundo o estudo, o aumento de 1% de gramado na cidade é capaz de diminuir 0.45 μg/cm³ de material particulado. Já o aumento de um metro quadrado de copa de árvore reduz 0.29 μg/cm³.
“A ação dos gramados está relacionada à possibilidade de maior circulação do ar, levando em conta que essas partículas são muito leves e facilmente dispersas”, explica. “Já as árvores agem como filtros de captação e absorção.”
A bióloga ainda destaca que regiões com muitas construções verticais ou bosques fechados podem ter pouca ventilação. Nesse caso, é interessante a substituição de prédios inutilizados pela construção de áreas de gramado, como parques, jardins e canteiros.
Mais informações: Bruna Lara de Arantes, e-mail blarantes@usp.br




sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Mutirão no Parque do Cordeiro - um ato de cidadania

" O Cidadão é responsável pelo Bem Público"
A Sajape vem trabalhando há quase 20 anos com esta realidade, sempre tentando  melhorar cada vez mais a parceria da comunidade com a administração pública, exigindo bons serviços mas também colaborando para que sejam encontradas as melhores soluções.
No domingo, 12/11, moradores associados da SAJAPE doaram tinta, materiais de limpeza e horas do seu lazer para limpar e pintar o gradil do nosso Parque do Cordeiro. Foram gastas algumas horas e mesmo não avançando muito no trabalho, permaneceu o entusiasmo para  retomar essa tarefa assim que possível. Com mais gente envolvida conseguiremos pintar e limpar muito mais. Fique atento ao próximo convite e venha participar também!

Convite: Presentes da Floresta

Beto Ricardo
Programa Rio Negro
Instituto Socioambiental - ISA

Convite - Lançamento do Observatório da Primeira Infância e o Mapa da Desigualdade da Primeira Infância

Prezados,

A Rede Nossa São Paulo e a Fundação Bernard van Leer convidam a todos lançamento do Observatório da Primeira Infância e o Mapa da Desigualdade da Primeira Infância, que retratam a situação das crianças paulistanas de zero a seis anos.

A divulgação da nova plataforma digital e dos indicadores será realizada em um evento público, no dia 05 de dezembro, das 9h30 às 12h30, no auditório do Sesc 24 de Maio (Rua 24 de Maio, 109), no centro da capital paulista.

Com 130 indicadores, o Observatório da Primeira Infância (OPI) permitirá ao internauta selecionar e comparar até cinco itens que possuam dados por distrito. Por meio dessa interatividade, o interessado poderá saber a situação dos indicadores por ele selecionados em cada um dos 96 distritos da cidade de São Paulo.

Uma das novidades do OPI é o Banco de Boas Práticas, onde estarão disponíveis experiências exitosas nacionais e internacionais na área da infância. Além de acessar as boas práticas - por Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS), eixo do Programa Cidades Sustentáveis ou pelo Urban95 -, o internauta poderá encaminhar sugestões de programas e políticas públicas exitosas para serem incluídas na plataforma.

Alguns indicadores visam chamar a atenção das autoridades e da própria sociedade para a situação das "Crianças Invisíveis". Ou seja, para as crianças que têm seus direitos básicos violados cotidianamente e não são contemplados por políticas públicas.

Outro ponto de destaque do Observatório será o espaço virtual "Olhar das Crianças", onde serão disponibilizadas fotos feitas pelos pequenos e pequenas. 

O Mapa da Desigualdade da Primeira Infância, por sua vez, visa mostrar as diferenças existentes dentro de uma mesma cidade - no caso, São Paulo - em relação à situação das crianças.

Utilizando a mesma metodologia do Mapa da Desigualdade da Cidade de São Paulo, o estudo inédito revelará o "desigualtômetro" - a distância entre o melhor e o pior distrito - em cada um dos 28 indicadores vinculados à primeira infância.

Observatório poderá ser replicado em outras cidades

Para que municípios interessados possam elaborar seus próprios Observatórios da Primeira Infância, a Rede Nossa São Paulo e a Fundação Bernard van Leer divulgarão, no mesmo evento, dois guias destinados a facilitar a construção de plataformas semelhantes.

O Observatório da Primeira Infância em 5 Passos - Guia de Multiplicação explicará como implantar a plataforma, considerando os indicadores, o conteúdo, o banco de boas práticas, entre outros pontos.

Já o Observatório da Primeira Infância - Guia Técnico orientará a instalação da plataforma, incluindo como configurar e cuidar da funcionalidade do sistema. 

Confirme aqui sua presença no evento

Abraço,

Jorge Abrahão
Coordenador Geral da Rede Nossa São Paulo


Fernanda Rezende Vidigal
Coordenadora Projetos da Fundação Bernard van Leer

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Mutirão no Parque do Cordeiro

Sajape e Sababv convidam os moradores e freguentadores para um mutirão de limpeza no Parque do Cordeiro, no próximo domingo, dia 12, para evitar a deterioração deste espaço tão querido por nós.

Não é segredo que a administração pública passa por dificuldades assim como todo o país devido à crise financeira. Em uma demonstração de cidadania, esperamos reunir pessoas suficientes para, em duas horas, lavar os gradis que contornam o parque e o guarda-corpo da pista de caminhada.

A ação tem, como finalidade, mostrar que a sociedade civil se preocupa com a propriedade pública, sem interferências políticas.

Venha mostrar o quanto o parque é importante para você e sua família, compareça ao evento. Nosso grupo se reunirá a partir das 9h15 em frente ao portão de entrada do parque, de onde os grupos serão distribuídos para começar o mutirão. Se puder,  traga esponja, balde e detergente biodegradável para participar!

Vamos fazer a diferença! Precisamos de sua cooperação.

Confira mais uma vez a data e o horário desta ação:
Data: domingo, 12 de novembro de 2017.
Reunião: a partir das 9h15, em frente a entrada do parque.
Horário: das 9h30 às 11h30.

Para mais informações, utilize os comentários ou ligue para as associações:
Sajape: (11) 3854-7372
Sababv: (11) 5532-1367

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

SAJAPE informa:

Obra irregular mobiliza vizinhos
Uma obra irregular na Av. Vicente Rao, esquina com Adhemar Queiróz de Moraes, levou um grupo de vizinhos a procurar a Sajape para encaminhar providências em defesa do bairro. Formalizada a denúncia pela associação junto à Prefeitura Regional, a vistoria do Setor de Fiscalização resultou em multas e interdição dos trabalhos, com embargo da obra. 

Mas as medidas não param por aí: com o apoio da Sajape, esses colaboradores levantaram dados em cartório e junto à Eletropaulo, participaram de reunião com o Prefeito Regional e preparam-se para a Ação Civil Pública a ser impetrada pela Sajape no prazo mais breve possível.

É um exemplo a ser seguido: o envolvimento dos moradores é fundamental para legitimar as ações da Sajape, que atua em defesa das caraterísticas ambientais e habitacionais de nossos bairros. Usos irregulares e edificações que descumprem as normas da prefeitura devem ser combatidos por todos. Portanto, pedimos seu apoio a este movimento: receba seus vizinhos quando forem bater à sua porta com o abaixo-assinado que fará parte da representação a ser submetida pela Sajape ao Ministério Público. O benefício será de todos!! 

EINLADUNG BASAR 2017 / CONVITE BAZAR 2017


sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Prefeitura realiza Consulta Pública do Plano Municipal da Mata Atlântica

Plano Municipal da Mata Atlântica do Município de São Paulo (PMMA – São Paulo) atinge sua terceira e última etapa, que é seu Plano de Ação. Por isso, será realizada nesta sexta (27), às 10h, o lançamento da Consulta Pública que permitirá a participação direta da sociedade civil no documento. O PMMA vem sendo elaborado pela SVMA, em parceria com a SOS Mata Atlântica, em cumprimento ao Plano Diretor Estratégico do Município.
PMMA define ações prioritárias para conservação e recuperação da mata atlântica, conforme determinado pelo Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo estipulado na Lei Municipal 16.050/2014. O plano, por sua vez, atende ao disposto na Lei da Mata Atlântica (Lei Federal 11.428/2006), regulamentada pelo Decreto Federal 6.660/2008), quanto à atuação proativa dos municípios na conservação e recuperação dos remanescentes de mata atlântica.
Participação
Para a participação da população no planejamento do referido projeto, foi instalada uma comissão especial do Conselho Municipal do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (CADES), através das resoluções nº 172/CADES/2015 e nº 180/CADES/2016, para acompanhar o desenvolvimento do trabalho. Foi cumprido o roteiro metodológico do Ministério do Meio Ambiente (MMA), contemplando três etapas. No 
Diagnóstico, foi caracterizado o território, o mapeamento dos remanescentes da Mata Atlântica e a análise da capacidade de gestão ambiental do Município quanto à conservação e a recuperação do bioma.
A segunda etapa definiu as Áreas Prioritárias para conservação e recuperação destes remanescentes, com base na metodologia de Ecologia da Paisagem. Na terceira e última etapa, o Plano de Ação propôs a transformação da situação atual, caracterizada no “Diagnóstico”, dentro de um horizonte temporal determinado de até dez anos.
Com vistas à definição do Plano de Ação, foram definidos seis Eixos: Áreas Protegidas e Sistemas de Áreas Verdes; Fiscalização e MonitoramentoLicenciamentos, autorizações para manejo de vegetação e compensações ambientaisEducação Ambiental, Comunicação e Participação SocialAdaptação e Redução do Risco Climático, além de um eixo com questões estruturantes. Para contribuir fazendo sugestões nas ações propostas nos eixos, a SVMA coloca à disposição links relativos a cada um deles, para consulta no período de 27 de outubro a 6 de novembro.
Para contribuir com a Consulta Pública, basta acessar a página do PMMA, a partir do dia 27/10, em:        http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/meio_ambiente/pmma/ e acessar o link de seu interesse.

SERVIÇO
Data: 27/10/2017
Horário: 10h
Local do lançamento da Consulta Pública: UMAPAZ – auditório 2 - Av. Quarto Centenário, 1268 - Jardim Luzitania, São Paulo.
Mais informaçõespmmasp@prefeitura.sp.gov.br

Para aqueles que não possuem acesso à internet, a SVMA disponibilizará em sua sede, localizada à Rua do Paraíso, 387, no térreo, de segunda a sexta, das 9h às 17h, um computador para o preenchimento da consulta. Desta forma, garante uma maior participação da população e transparência de gestão.

APRESENTAÇÃO DA CONSULTA PÚBLICAgoo.gl/forms/yuf1yXsZcZykOXl32
EIXOS
2. Áreas Protegidas e Sistemas de Áreas Verdesgoo.gl/forms/69ByuEN2cFbXIS2p2

3. Fiscalização e Monitoramento Ambientalgoo.gl/forms/P63dEGG3btb2LB923

4. Licenciamento, Autorizações para Manejo de Vegetação e Compensações Ambientaisgoo.gl/forms/15x43c5RiguDddp22

5. Educação Ambiental e Participação Socialgoo.gl/forms/V1ZgdMcQgx82Vynu2

6. Adaptação e Redução ao Risco Climáticogoo.gl/forms/xptE3v5Y8YeSRFuj2